Implantes Craniofaciais

A reabilitação com implantes ósseo integrados em pacientes com perdas de estruturas bucomaxilofaciais não diferem cirurgicamente dos pacientes convencionais de reabilitação protética odontológica. Os implantes permitem reabilitações fixas e removíveis com alto ganho de retenção e estabilidade dando maior conforto e segurança ao paciente melhorando sua qualidade de vida.

Nas próteses reabilitadoras intraorais, com a modificação das forças de oclusão, a biomecânica da prótese deve ser modificada conforme a morbidade de cada paciente.

Nas próteses faciais, a localização do defeito e a qualidade e a quantidade óssea definirá a indicação dos implantes No planejamento devem ser avaliadas o tipo de cirurgia, tratamentos quimioterápicos ou radioterápicos e condições físicas e motoras para instalação da prótese.

Manejo Clínico Odontológico em Pacientes Oncológicos

A radiação na cabeça e pescoço e quimioterapia para qualquer malignidade pode causar uma variedade de efeitos colaterais orais. Para alguns pacientes, essas complicações podem ser mínimas ou agudas o que pode provocar a interrupção do tratamento oncológico. Prevenção pré-tratamento oncológico e gestão de complicações orais ajuda a apoiar a terapia do câncer, aumentando a sobrevida do paciente e sua qualidade de vida.

Efeitos colaterais orais ocorrem em praticamente todos os pacientes que recebem radiação de cabeça e pescoço, em cerca de 80 por cento dos receptores de transplantes, e em cerca de 40 por cento dos pacientes que receberam a quimioterapia primária. Risco de complicações orais varia de acordo com o regime de tratamento.

Existe a possibilidade da confecção de dispositivos radíferos para proteção de tecidos intra e extraorais bem como próteses para braquiterapia. O oncologista pode solicitar estudo para viabilizar tratamentos individualizados com menor sequelas para o paciente.